Novidades!


* A nova edição do livro "O Anuário da Grande Mãe" já está disponível nas livrarias! ***
* Jornal de julho


*** Estão abertas as inscrições para o novo grupo de estudos da tradição da Deusa e vivências de (re)conexão com a sacralidade e ritos femininos. ***

* Novo Grupo da Teia de Thea! - Veja as orientações!


Celebração do Dia

30 DE AGOSTO
Antigamente, na Grécia, celebrava-se, nesta data, Charistheria, festa com oferendas e agradecimentos para a deusa da caridade Charis, uma das Cáritas.
As Cáritas ou Graças, eram antigas manifestações da Deusa Tríplice doadora das “graças” (charis em grego e caritas em latim), ou seja, os dons que vinham do céu e das estrelas. Os romanos chamavam-nas de Vênia, considerando-as aspectos benevolentes da deusa do amor Vênus. As Graças eram emanações da Deusa e seus nomes eram Aglaia, a brilhante; Thaleia, aquela que traz as flores e Euphrosyne, a alegria do coração.
Elas eram parceiras dos deuses, as padroeiras da arte, da música, da poesia e da dança, as Ninfas Celestes atendentes da Deusa, sendo representadas como três mulheres nuas dançando. O cristianismo despojou a palavra “caritas” de qualquer conotação sexual, atribuindo-lhe um significado puramente ascético. Caridade tornou-se, assim, um requisito para conseguir um lugar ao céu, empobrecendo o significado inicial de “charis” (amor, afeição, hospitalidade, generosidade e compaixão). As Graças não mais representavam a amplitude dos aspectos da Deusa, mas apenas liberalidade e sensualidade.
Dia de Santa Rosa de Lima, no Peru e de Santa Lúcia Rosa, na América hispânica, ambas cristianizações da Deusa da Luz.
Oferendas para a deusa hindu da terra Tari Pennu, visando assegurar a fertilidade da terra e a fartura das colheitas. Tari Pennu era uma deusa ancestral do povo dravidiano de Bengala. Segundo a lenda, ela recusou-se a aceitar os avanços amorosos do Sol, preferindo ficar só. Para se vingar, o Sol criou as mulheres para amá-lo e servi-lo, mas elas se recusavam a venerá-lo, dedicando-se ao culto da Mãe Terra. Antigamente, para invocar as bênçãos de Tari Pennu para a abundância das colheitas, as mulheres lhe ofertavam seu sangue menstrual. Com o passar do tempo, os homens começaram a lhe sacrificar animais e, às vezes, mesmo os prisioneiros de guerra, atribuindo à deusa atributos sanguinários e malévolos, como provocadora de doenças, desgraças, fome e morte.

*informações extraídas do livro “ O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.

Próximos rituais

Todos os rituais são realizados na UNIPAZ - Brasília
Energia de troca: R$ 20,00

Atenção: Os portões serão fechados às 20h30. Não será permitida a entrada após esse horário.

Pedimos a gentileza de não fotografar, filmar, gravar ou realizar qualquer outra forma de registro antes, durante ou após os rituais, sem autorização da Teia de Thea.

Informações: 8233-7949 ou teiadethea@teiadethea.org


Celebração do Equinócio: Mistérios de Eleusis (Deméter e Perséfone)

Data: 22 de setembro às 20h

Vestir roupas (saias ou vestidos) no estilo grego e enfeites na cabeça

Material:
* Vela branca (dentro de um copo)
* 3 espigas de trigo
* 3 fitas de cetim nas cores branca, vermelha e preta (90 centímetros de comprimento cada, de qualquer largura)
* 1 máscara (de sua preferência)
* Tambor ou chocalho, se tiver.

++ Recomendamos agasalhos para ritual em local aberto e muito frio ++

*** Somente para mulheres ***

# Não recomendado para crianças!