* * * Voltamos a ter Rituais PRESENCIAIS! * * *


30 DE SETEMBO
Meditrinália, comemoração da deusa Meditrina, em Roma, a padroeira das artes criativas. As pessoas iam em procissão aos lugares sagrados, levando oferendas de frutas e pedindo ou agradecendo as curas. Acreditava-se que essa deusa usava o poder do vinho e das ervas para curar as pessoas. Por isso, neste dia, todos bebiam vinho preparado com ervas aromáticas, invocando as bênçãos da deusa para suas vidas.
Uma deusa de cura muito mais antiga era Angitia, padroeira da tribo Oscan, no norte da Itália. Ela governava os poderes mágicos e de cura, sendo uma grande especialista em feitiços verbais e com ervas. Era invocada, principalmente, para curar mordidas de cobras e envenenamentos.
Festival grego homenageando Themis como governante de Delos. Themis ou Têmis, era uma Titã, filha de Urano e Gea, mãe das Horas, das Moiras, das Hespérides, de Astrea, de Atlas e de Prometeu. Conselheira de Zeus, personificava a lei e a ordem, representando a consciência coletiva, o ajuste de divergências, a paz e a justiça. Os juramentos eram prestados em seu nome e, se alguém omitisse a verdade, a deusa o punia com a morte. Carregando uma balança com os olhos vendados, Têmis protegia os inocentes e punia os culpados. Sua equivalente romana era a deusa Justitia.
Dia de São Jerônimo, sincretizado na Umbanda como Orixá Xangô, senhor da vibração original ígnea, o deus da justiça, do trovão e do relâmpago.
Epitaphia, antiga comemoração grega homenageando as almas dos guerreiros mortos em combate.

*informações extraídas do livro “ O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.