* * * Voltamos a ter Rituais PRESENCIAIS! * * *


26 DE NOVEMBRO
Comemoração de Coventina, a deusa celta das fontes, cultuada na Bretanha e na Espanha. Chamada de “A Deusa do Divisor das Águas”, Coventina era considerada uma deusa da água, do destino, da vida e das cerimônias. Semelhante a outras deusas celtas dos rios como Boann, do Rio Boyne; Belisama, do Rio Mersey; Sulis, do Rio Bath; Sinann, do Rio Shannon, ou Sequana, do Rio Sena, Coventina regia o Rio Carrawburgh, sendo representada como uma mulher vertendo água de uma urna, simbolizando o conhecimento e a cura. Todas essas deusas eram reverenciadas com ritos de fertilidade e oferendas em suas fontes sagradas. Até hoje, na Ilha de Maiorca, as pessoas perpetuam “a dança da cisterna”, cujos passos ondulantes e em zigue-zague lembram as antigas danças sagradas das deusas dos rios e da chuva.
Festival tibetano das luzes dedicado aos deuses e deusas da luz. Reverenciavam-se Nang-gsal-ma, a senhora da luz e do fogo, e Tho-og, a Mãe Eterna, o ser primordial. Representada pelo espaço preexistente a qualquer criação, Tho-og é equivalente à deusa hindu Aditi.
No Senegal, ritos de iniciação dos meninos na puberdade.

*informações extraídas do livro “ O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur.